Coralnet.com.br - Página principal

Com o Santa Cruz das arquibancadas para o Mundo - desde 1996

Matéria Especial

Entrevista com o radialista Jorge Soares

Publicado: segunda-feira,11 de abril de 2005
Por: CoralNET

Competente, radical e contundente, este é Jorge Soares, o repórter de cinco copas do mundo.

Aos 57 anos de idade, após ter defendido o microfone da Rádio Clube por mais de vinte anos, Jorge, hoje, comanda o programa Momento Esportivo, na Rádio Olinda, que é líder de audiência

SER O REPÓRTER DE CINCO COPAS DO MUNDO É MOTIVO DE ORGULHO?
Eu acho que sim. Uma cobertura de copa do mundo consagra o profissional. Seria o “Oscar” para quem faz rádio esportivo. Mas ainda tenho muita vontade de fazer mais uma copa, que é no ano que vem na Alemanha.

DAS CINCO TEM ALGUMA QUE MARCOU MAIS?
Não sei se eu sou pé frio, mas em todas que fui o Brasil perdeu. Fui pra a Copa da Argentina em 1978, Espanha em 82, México em 86, Itália em 90 e a última que fui foi na França em 98, quando o Brasil levou de 3 x 0. Tenho algumas lembranças do jogo Brasil e Itália num estádio espanhol em Barcelona, o Brasil era o favorito para o jogo. As manchetes dos jornais diziam que o Brasil tinha o maior quarteto do mundo, no meio campo tinha: Cerezo, Falcão, Sócrates e Zico. O Brasil entrou em campo e perdeu de 3 x 2. Essa é uma das lembranças que tenho.

VOCÊ É PIONEIRO EM REPORTAR DE DENTRO DE UM HELICÓPTERO. COMO FOI ESSA EXPERIÊNCIA?
Isto foi em um jogo da seleção brasileiro aqui em Recife, Brasil x Bolívia. Fizemos o trajeto da seleção do hotel até o estádio. Não me senti muito bem, porque o helicóptero fica muito inclinado. E a porta ainda estava aberta porque a Globo estava filmando. A sensação que senti é que ia cair. Não gostaria de outra aventura dessa.

VOCÊ COMANDA UM PROGRAMA QUE É LÍDER DE AUDIÊNCIA. É A MELHOR FASE DE SUA CARREIRA?
Não posso negar que a melhor fase da minha carreira foi na Rádio Clube, mas gosto muito de trabalhar na Rádio Olinda, porque é uma rádio que dá liberdade de trabalho, com uma direção democrática também. Eu me sinto muito em casa e bem satisfeito de trabalhar.

VOCÊ JÁ TEVE ALGUM PROBLEMA POR CONTA DAS SUAS PERGUNTAS CONTUNDENTES?
Já tive problemas normais. Às vezes aparecem pessoas que não gostam. Acho que isso é comum ao repórter ousado.

VOCÊ JÁ SOFREU AMEAÇA OU AGRESSÃO FÍSICA?
Já sofri muitas. Tanto ameaça como agressão física. Não gosto nem de citar porque só trás recordações ruins.

UM PROFISSIONAL DE IMPRENSA QUE VOCÊ ADMIRA?
Sempre admirei muito Ivan Lima e Geraldo Freire.

UMA SITUAÇÃO ENGRAÇADA/DIFÍCIL QUE VOCÊ JÁ PASSOU COMO REPÓRTER.
Nessas viagens. Como não me preocupo muito em aprender os idiomas já me atrapalhei muito. Já entrei em restaurante e tive que me retirar porque ninguém entendia o tipo de alimentação que eu queria. Outra situação é que às vezes cronistas do sul muito empolgados discriminando o nordeste, não respeitam, acham que só eles podem fazer uma grande entrevista.

UM JOGO MARCANTE DO SANTA CRUZ.
Do Santa tenho recordações ruins, contra o Treze de Campina Grande dentro do Arruda. Tenho recordações boas na fase de Ramón e Fernando Santana, quando o Santa Cruz fez aquela campanha que chegou a ser quarto lugar no Campeonato Brasileiro.

O MELHOR JOGADOR DO SANTA QUE VOCÊ JÁ VIU ATUAR ATÉ HOJE.
Givanildo Oliveira.

UM ANÁLISE DO ATUAL TIME DO SANTA CRUZ.
Acho o Santa o melhor time de Pernambuco em termo de conjunto.

UMA PESSOA QUE VOCÊ TEM DESEJO DE ENTREVISTAR E QUE PERGUNTA FARIA?
Quando comecei no Rádio, tinha muita vontade de entrevistar Pelé. Foi quando o Santos veio jogar com o Santa e fui ao hotel entrevistá-lo. Fui muito bem recebido, no começo estava nervoso, mas acabei fazendo uma grande entrevista.

PRA QUEM VOCÊ DARIA UMA BOLA DE GUDE?
Não daria pra ninguém.

E UM MICROFONE DE OURO?
Daria para Ivan Lima.

Compartilhe:

Entrevista com o radialista Jorge Soares

* Os comentários são de total responsabilidade dos internautas. Não toleramos mensagens contendo palavras de baixo calão, publicidade, calúnia, injúria, difamação ou qualquer conduta que possa ser considerada criminosa.